Papo na Flyve com Douglas Ribeiro


Foto do Douglas Ribeiro, homem de 30 anos, branco, com barba e bigode curtos, cabelo raspado e óculos
Douglas Ribeiro é sucesso na Amazon com o livro "Presa Fácil"

Que tal conhecer um pouco mais sobre o autor de "Sucessores" e "Presa Fácil"? Aos 30 anos Douglas Ribeiro, do Rio Grande do Sul, já está consolidando sua carreira como escritor e vem conseguido destaque no meio da ficção policial. Em apenas três meses ele teve mais de duas mil páginas lidas do "Presa Fàcil" no Kindle Unlimited, o sistema de assinaturas na Amazon, além de ser recomendado por Ju Oliveira, uma das maiores booktubers de suspense do país, e também pelo autor de suspense Victor Bonini. Agora Douglas está com a pré-venda de seu livro físico pela Flyve!


Com tanto reconhecimento, não é para menos que fomos correndo pedir uma entrevista.


Leia agora a entrevista com Douglas Ribeiro, escritor tradicional da editora Flyve


Conta um pouco sobre a sua história como escritor: como começou?

Desde que eu comecei a ler tive vontade de escrever minhas próprias histórias. Eu fazia isso de brincadeira, e conforme a idade chegou, esse costume ficou de lado. Só que lá por 2018 a vontade de escrever voltou com força. Eu comecei a fazer freelas como redator de blogs e sites. Escrevia de tudo, desde artigos sobre economia até dietas. Mas eu sentia que não era aquilo que eu buscava. Eu queria mesmo era contar histórias.

O que mais gosta na escrita?

Do processo de imersão em si mesmo em busca de palavras.

Seu mais novo lançamento é o Presa Fácil, fala um pouco sobre o que os leitores podem esperar nesse livro?

O Presa Fácil é um thriller policial que conta a história da delegada Clara Pedroso em busca de um serial killer que aterrorizou a cidade de Porto Alegre no passado. Uma lenda urbana conta que, para cada morte, o assassino plantou uma muda de trevos em um parque da cidade. Quando Clara percebe que uma nova muda foi plantada, fica convencida de que o criminoso voltou. Começa então uma corrida contra o tempo antes que o assassino mate de novo. Os leitores podem esperar por muita ação, suspense e reviravoltas surpreendentes.

E conta alguma curiosidade sobre o Presa Fácil?

Uma coisa curiosa é que o livro surgiu de uma história que aconteceu com minha esposa. Ela trabalha em um escritório de contabilidade, e um dia eles atenderam um senhor que havia acabado de sofrer o golpe do bilhete premiado. Quando ela chegou em casa e me contou o ocorrido, a história começou a nascer na minha cabeça.

Você é bem ativo nas redes sociais, não é? Fala um pouco sobre sua experiência como autor no instagram.

Embora eu não tenha muito tempo livre, tento manter uma rotina de postagens e interações no instagram. É uma ferramenta muito boa para que autores desconhecidos consigam um pouco de visibilidade. Foi lá que eu consegui meus primeiros leitores.

Como começou a gostar de ler?

Foi com os gibis da turma da Mônica e tio patinhas. Minha mãe comprava vários e lia para mim antes mesmo que eu soubesse ler. Depois eu fui para os livros da biblioteca da escola.

Quais autores lhe inspiram?

São vários. No quesito "plot-twists" de cair o queixo, sem dúvida é o Harlan Coben. Na escrita fluída, Blake Crouch. Na criação de personagens, Stephen King. E para criar cenas visuais e histórias bem estruturadas, Cláudia Lemes.

Me conta, quais títulos você já publicou?

Até agora meus dois livros são Os Sucessores e Presa Fácil. Eu gostei mais do Presa porque senti que estava mais maduro e preparado durante a escrita. Meu próximo livro vai sair em e-book em setembro e se chama "Mortes de Primaver". Vai ser uma série de Thrillers que contam a história de Nick Ventura, um professor de mitologia chamado pela polícia para investigar crimes que envolvem rituais de magia e wicca.

Como está sendo a recepção dos leitores?

Incrível! Já são quase 200 mil páginas lidas no Kindle Unlimited e 400 e-books em 3 meses. Enquanto respondo essa entrevista, o Presa Fácil está em 7º lugar no ranking geral de Crime e Mistério da Amazon. Nada menos do que o melhor nacional em uma categoria que tem Raphael Montes, Victor Bonini e Gustavo Ávila.

Qual o seu sonho como escritor?

Ver uma adaptação de um dos meus livros.

A escrita é um trabalho integral ou você também exerce outra profissão? Qual?

Quem me dera! haha! Eu sou funcionário público. Trabalho como técnico administrativo na Procuradoria do Rio Grande do Sul. Escrevo nas horas vagas e me aventuro também fazendo podcasts no @PapoThriller.

Me conta: por que escolheu os gêneros policial e ficção científica para escrever?

Porque eu basicamente só leio histórias de mistério e thrillers desde que aprendi a ler. Nunca foi meu objetivo escrever ficção científica, mas a história de Os Sucessores veio com tudo na minha mente e fui obrigado a escrevê-la. Eu percebi então que conseguia me comunicar muito bem com os leitores do gênero suspense policial, por isso decidi investir com tudo nele!

Sobre você, para além da escrita, tem hobbyes? Como é a sua vida?

Pouca gente sabe disso, mas eu adoro xadrez e sou meio viciado em acompanhar torneios e jogar com os amigos!

Deixa um convite para as pessoas conhecerem seu trabalho

Se você gosta de livros que são impossíveis de largar, cheios de mistério, ação e reviravoltas, dê uma chance para o Presa Fácil e Os Sucessores. E não confie nas minhas palavras: veja as quase 400 avaliações que os dois livros têm na Amazon de leitores satisfeitos. Você pode encontrar os dois no link da bio do meu instagram @douglasribeiroautor e inclusive ler os primeiros capítulos gratuitamente!



Gostou? Então corre para garantir seu exemplar de "Presa Fácil" que está na pré-venda no site da editora Flyve.